Category Artigos


For Honor vai te fazer comprar melancia oca?


Vocês jogaram For Honor na BGS? Eu joguei e a experiência foi fantástica. Acho que muitos voltaram para casa com vontade de comprar o jogo. Devem até ter entrado na fila do alpha fechado. Eu estava realmente empolgado até encontrar algo que me fez pensar.

melancia-for-honorA Feira da Fruta

Vamos imaginar que você foi à feira e viu uma grande oportunidade. Havia uma deliciosa melancia! Ótima aparência e ótimo preço. Ela ainda tinha um diferencial. Era muito mais leve que as outras frutas. Você não teria trabalho para levar para casa. Finalmente você chegou em casa, e como o título sugeriu, a melancia estava oca! Se quisesse, teria que pagar um pequeno adicional pelo recheio.

titanfail-marketing-games-for-honorTitanFail

Esta história relacionada ao For Honor parece absurda? Então vamos observar os fatos! Lembra do Titanfall? Nossa! Como esperei por aquele jogo. O que comprei foi apenas uma pequena parte do produto. Logo o jogo perdeu o brilho e para continuar interessante era preciso comprar conteúdo extra. Havia comprado apenas a casca da melancia!

For Honor deve seguir os mesmos passos. Algo suspeito está no ar. O jogo não tem força para segurar o multiplayer por muito tempo e é possível que cobrem por mapas extras. Eu não suporto pagar por mapas novos de multiplayer. São eles que mantém o jogo vivo!

A propósito, parabéns para a Blizzard com o Overwatch!


Como “The Witcher 3” me livrou das Cáries!


Há pouco tempo o meu console fez o update do The Witcher 3. Rapidamente entrei no jogo para ver as alterações. Para minha surpresa, não consegui identificar mudança. “Que estranho,” pensei. “Está tudo igual.”

Depois de uma hora de jogo, percebi algo diferente: LOADING. Por mais incrível que pareça, cada linha de conversa precisava ser carregada. Eu já havia me atrapalhado com o carregamento antes. Eu jogava no modo difícil, mas eu passava mais tempo na tela de loading do que enfrentando monstros. Coloquei na dificuldade média pela minha sanidade mental.

loadingDe volta ao update, tive o desprazer de ver Geralt de Rivia e Triss Merigold em uma conversa infinita sobre amenidades. A cada frase, um carregamento.

Comecei a buscar coisas para fazer enquanto esperava. Abri todas as minhas caixas do Clash Royale, joguei um pouco de 3DS e, finalmente, comecei a arrumar a casa. Foi ai que eu descobri algo fantástico. O loading demora exatamente uma escovada de dentes.

Eu jogo bastante Witcher 3 e, consequentemente, escovo bastante os dentes. Estou bem feliz com a ausência de cáries, mas também estou impressionado com a falta de um teste de qualidade para o jogo dos consoles. Será que ninguém sentou no sofá com um controle para testar ou será que todos escovam os dentes com frequência na empresa?


Motivação para Desenvolver Jogos


Motivação é um assunto muito sério, muito pessoal e muito complexo. O que incentiva alguns pode desanimar outros. Um obstáculo pode ser ‘algo a ser superado‘ e esse mesmo obstáculo pode ser encarado como o fim do caminho.

Criar jogos para ficar rico pode motivar alguns, admito que essa ideia já passou pela minha cabeça, mas esse é um caminho bem difícil e esse é um mercado muito concorrido. Fazer jogos é bem legal, mas fazer jogos para ganhar dinheiro não é tão simples assim.

Faço jogos a mais de 10 anos e ainda não consegui ganhar muito dinheiro com meus jogos. Sendo assim essa motivação se foi. Mas outras motivações permaneceram e outras motivações vieram.

Motivação

Fazer um jogo deve ser legal, certo ?

Certo! Essa motivação em mim dura mais de 10 anos. Renovo essa motivação a cada pequeno obstáculo vencido, a cada jogo lançado. A cada melhoria implementada, cultivo essa motivação e colho os resultados.

Escrevo nesse site para compartilhar minha experiência com o desenvolvimento de jogos. Não posso ensinar ‘como ficar milionário fazendo jogos‘ porque não sei ficar milionário. Mas sei fazer jogos e posso mostrar como fiz meus jogos e indicar alguns caminhos.

Como FazerApresento nesse artigo, nos artigos anteriores e nos próximos artigos, algumas dicas de como fazer jogos, conforme as dicas óbvias vão sendo apresentadas, as dicas técnicas vão querendo aparecer e provavelmente meus próximos artigos terão conteúdo mais técnico.

Uma dica desse artigo é #SigaTutorias e algumas vezes é preferível tutoriais em modo-texto do que tutoriais em vídeo-aula.

Aprendi muito dessa maneira, entrava no Google e digitava: ‘como fazer um jogo‘, a informação está disponível a todos, basta você ter a motivação de querer procurá-la!


O que os Desenvolvedores de Games aprenderam com as Olimpíadas


Os Jogos Olímpicos acabaram! Vivemos no Brasil, durante 21 dias, um clima de alegria e entusiasmo. Sediamos o maior evento esportivo do mundo, e a sensação foi fantástica. Obtivemos também a melhor campanha em Olimpíadas da nossa história e mostramos para o mundo que somos capazes de grandes feitos.

Ao longo da competição, uma pequena ideia surgiu. Começou apenas como curiosidade, mas com o tempo percebi que era algo realmente importante. Conforme a competição progredia, mais eu queria saber sobre os atletas que estavam nela. Por mais estranho que possa parecer, o mais importante para mim não era o jogo, eram os jogadores. De forma mais direta, que tipo de luta eles haviam travado para conseguir competir nas Olimpíadas?

Os atletas que surgiram do nada

canoagem_isaquias_marketing-games-olimpíadas

Isaquias Queiroz em prova de Canoagem

Alguns atletas, até a Rio 2016, eram invisíveis. Apesar de serem destaque na sua modalidade, só fomos conhecê-los durante as Olimpíadas. Rafaela Silva, medalha de ouro no judô, e Maicon de Andrade Siqueira, medalha de bronze no Taekwondo, são dois exemplos de incríveis atletas que atingiram a media de massa. Eles estiveram em silêncio até o ponto onde seu talento falou mais alto.

Isaquias Queiroz, outro exemplo de atleta que surgiu nas Olimpíadas, ganhou três medalhas em uma única edição dos jogos. Ele nasceu em Ubaitaba, Bahia, em uma família pobre. Seus esforços, para se tornar um campeão, foi gigantesco e sua história agora passeia pela internet.

Desenvolvimento de Jogos

Os Jogos Olímpicos são, para nós, entretenimento! Assim como a indústria de jogos, eles vendem um produto de alto valor agregado, capaz de cativar as pessoas e clamar pela sua atenção. Eles  enfrentam dificuldades para vender o produto digital e, por isso, contam com apoio de empresas privadas e do governo.

downloadA mensagem é simples. Assim como atletas, um criador de jogos precisa cativar sua audiência. O desenvolvimento de jogos independentes pode ser entendido como uma grande competição. Você não corre apenas pela medalha; você precisa mostrar o quanto se sacrificou durante a jornada. Só assim você deixa de ter um jogo e passa a ter uma grande história para contar.

Eu tenho certeza que, assim como o Isaquias, você também pode sair do anonimato e atingir a media de massa. Saiba que o caminho é bem difícil e que será necessária uma determinação de atleta. Porém, no final, você terá, além do jogo, algo para inspirar a todos.


Um primeiro jogo…


Começar por cima só se for para fazer um buraco ou uma demolição, para se construir deve-se começar de baixo, essa é a dica desse artigo! Quem está começando a desenvolver o seu primeiro jogo deve começar por algo simples, quanto mais simples melhor.

Concluir o desenvolvimento de um jogo simples dá ânimo para tentar algo mais complexo, tentar algo muito difícil logo de cara pode ser insatisfatório e frustrante. É o equivalente a começar a jogar um jogo no nível hard da última fase.

Então sugiro que quem começa no desenvolvimento de jogos escolha uma linguagem de programação e logo em seguida crie um ‘hello world‘, se possível desenhe algo na tela, só depois pense em criar algum tipo de movimento.

Puzzle DeslizarUma lista de jogos possíveis de serem concluídos como primeiro jogo:

  • Jogo-da-velha
  • Jogo-da-forca
  • Jogo-da-memoria
  • Puzzle de deslizar e ordenar numeros
  • Jogo de empurrar caixas

É possível fazer jogos assim até mesmo em modo-texto (tela preta do prompt)

Pela web encontramos milhares de tutoriais ensinando como fazer esses jogos. Vários em português.

snakeEm uma fase intermediária podemos fazer algum jogo com movimento:

  • Jogo-da-cobrinha
  • Jogo-pong
  • Jogo tetris
  • Jogo de plataforma
  • Jogo de corrida infinita

Eu já tive a oportunidade de construir versões para a maioria desses jogos e incentivo outros a desenvolverem também, programação de computadores é uma área muito interessante e fortemente relacionada a desenvolvimento de jogos. Portanto a dica desse artigo é: comece pelos jogos simples.


Palavras Duras, conselhos de um empreendedor da área de games


Controle Aritana

Controle dado pela Microsoft para a Duaik

As palavras mais duras virão daqueles que mais se preocupam com você. Maturidade é uma palavra que pode ser aplicada a diversos momentos da vida. O empreendedorismo é um deles. Amadurecer neste caminho significa entender o quanto a nossa ideia de mundo é falha. Percebemos que a intransigência é um fator disruptivo e que uma equipe engajada pode alcançar qualquer objetivo.

Se olharmos bem, a equipe de um empreendedor vai muito além dos colaboradores da empresa. Quantas histórias de startups de fundo de quintal não existem por ai? São pessoas que tiveram o apoio familiar para seguir o seu sonho e que, invariavelmente, lembram desse fator como algo determinante para o sucesso da empresa. 

Eu Tu Eles
Sempre observei os empreendedores com uma certa curiosidade obstinada. O que os diferencia de um empresário?
De uma maneira direta, o empresário é o indivíduo que aplica seus conhecimentos para manter o funcionamento de uma empresa: geralmente a sua. O empreendedor, por sua vez, é aquele que busca inovar e redesenhar seu ambiente de acordo com as suas convicções. É possível empreender sem ter empresa, mas é impossível empreender sem arriscar.

phil-spencer-persis-xbox-empreendedor-marketing-games

Phil Spencer e Pérsis Duaik

Trago comigo os que estão à minha volta

Separar a vida pessoal do risco inerente às nossas escolhas profissionais é uma tarefa impossível. Existe uma ligação espontânea do que fazemos com aqueles que nos querem bem. Isto é, as pessoas à nossa volta torcem pelo sucesso dos nossos projetos e empregam uma boa carga emocional no processo.

Em outras palavras, dividimos a nossa vida com pessoas que se ligam emocionalmente aos desdobramentos da empresa e que serão impactadas diretamente pelos resultados. Por isso, estas mesmas pessoas, que gostam muito pouco do risco, serão arrastadas para o incerto e sua reação será uma grande explosão de emoções.

O resultado será uma reação adversa ao risco que, para o empreendedor desavisado, pode significar uma crítica às escolhas feitas. No fundo, são pessoas que torcem pelo projeto e que usam suas ferramentas para dar conselhos. Por isso, não fique chateado se alguém perguntar quando você vai arranjar um emprego. São apenas pessoas lidando com o risco; dando conselhos que, se entendidos da forma correta, podem realmente ajudar a sua empresa.


Shenmue III – Eis que a fênix renasce das cinzas


Olá, caros leitores! Hoje estou aqui para falar de um jogo que está causando furor devido ao nome: Shenmue III. Sim, a continuação da franquia iniciada no Dreamcast, nos primórdios da geração dominada pelo Xbox, Game Cube e Playstation 2. Um dos primeiros jogos com elementos de ação, Quick Time Events e pitadas de RPG que desenvolveu todo um mundo aberto para dar vida à busca de Ryo Hazuki.

Inicialmente projetado e publicado pela SEGA, Shenmue trouxe diversos elementos inovadores, como troca de perspectiva à vontade do jogador; momentos de luta nos ambientes onde já se está, sem mudança de cenário; modo de simulação de corrida; possibilidade de jogar clássicos da sua empresa dentro do ambiente virtual do game; e diversas opções de escolha na rota até o fim do game, possibilitando novas cenas, aumentando o fator replay. Confira o gameplay, uma desossada da história do primeiro jogo e as curiosidades do primeiro jogo da franquia.

Nessa franquia o relógio anda de bem com o mundo. As horas passam muito rápido.

Sua continuação foi lançada para o console da própria desenvolvedora e, posteriormente, para o Xbox, que conseguiu adquirir exclusividade de lançamento na América do Norte. Como as vendas não foram boas, a franquia ficou na geladeira por um bom tempo.

Ao fim do primeiro semestre de 2015, foi anunciado Shenmue III seguido por uma campanha no Kickstarter, para coletar fundos e dar vida ao projeto. Esta arrecadou pouco mais de 6 milhões de Obamas, quase o triplo do pedido inicial, valor mais que suficiente, segundo as metas. Cabe aqui uma menção aos brindes para quem doasse determinadas quantias, como ocorreu nas do Mighty Nº 9 e Bloodstained, que incluía um jantar com o diretor do game.

Yu Suzuki. Este é mais lendário que Mewtwo.

Vale ressaltar que este lançamento será feito pela empresa Ys NET, cujo fundador é o ex-diretor da SEGA e produtor de diversos jogos da mesma, incluindo a franquia do game em questão, Yu Suzuki.

Shenmue com certeza é uma excelente franquia, talvez injustiçada por falta de capacidade de alguns envolvidos mas sua terceira continuação tem tudo para dar certo, não acham? Ou é exagero por parte deste que vos fala? Comentem e deixem suas opiniões. 


Por onde começar no Desenvolvimento de Games?


Esse é meu primeiro artigo para o Marketing & Games, estou contente por entrar no time, tenho ampla experiência com desenvolvimento de jogos e quero compartilhar. Para esse primeiro artigo quero dar simples dicas sobre ‘por onde começar‘ no desenvolvimento de games.

Essa dica que vou dar vale para jogos para windows (desktop/notebook) e também vale para desenvolvimento mobile. Pode parecer obvia, mas acompanho muita gente começando de maneira errada. A maneira de construir jogos eletrônicos é através da programação. Escrevendo código. Esse deve ser o foco. Essa é a dica.

Trecho de código de jogo Existem muitos jogos que permitem que o jogador personalize as fases, os cenários, criação de avatar, mudanças nas características do personagem, etc… Hoje em dia é possível desenvolver partes do jogo sem programar. Modelando cenários, texturas, editando imagens. Alguns iniciantes as vezes acham que é assim que se faz um jogo. Mas não é.

A base do jogo, o núcleo, o motor deve ser a programação. A programação trata de empenhar esses recursos visuais em prol da jogabilidade. E jogabilidade é importante, certo?

Os jogos modernos tendem a simular a realidade. Muito jogadores consideram uma qualidade do jogo ter gráficos perfeitos que imitam a realidade, mas a jogabilidade é outro fator, e esse post trata disso.

Para quem está começando a desenvolver jogos, a dica é: Foque na jogabilidade. Comece por aí. Começe programando.

marioQuero citar ‘candy crush’ que é um jogo que conquistou pela jogabilidade. ‘Pou’ também parece simples, ‘Tetris’ fez um enorme sucesso nos anos noventa em mini-games pelo mundo todo nos primórdios da indústria de games e ‘Mario Bros’ não conquistou pela aparência, conquistou pela jogabilidade.

Jogabilidade tem a ver com programação, esse deve ser o núcleo do processo de desenvolvimento. #ficaadica


Onde está o Age of Empires IV? E os outros novos RTS históricos?


Já faz algum tempo que os novos lançamentos repletos de jogos inovadores não trazem toda a sua inovação em algo clássico e que todo mundo ama. Os RTS (Estratégia em tempo real) estão cada vez mais futuristas com temas SCFI, mas o que os RTS players realmente querem é o velho enredo histórico e realista com um Skirmish cheio de nações e civilizações que existiram de verdade.

Foto de CapaA continuação do clássico Age of Empires não dá sinal algum de vida. O próximo título da série que deveria se intitular Age of Empires IV não está ne perto se ser lançado e muito provavelmente nem será. Seria de grande felicidade abrir e internet um dia e a noticia estar lá sendo comentado por todos na redes sociais.

De acordo com boatos e se analisando a linha do tempo do game, o próximo tema a ser abordado seria por volta da Primeira e Segunda Guerra Mundial. O tema é de infinita riqueza e detalhes a se acrescentar aos recursos do jogo. As guerras mundiais são um dos temas mais queridos pelos amantes da história e claro pelos jogadores de videogame também.

Os antecessores nos trouxeram infinitas felicidades, nos ensinaram a pensar antes de agir e a economizar recursos. Lembro das musiquinhas nostálgicas do Age of Empires II quando uma nação era escolhida. O cavalheiro apesar de só surgir nas idades mais tardes, estava ali para nos auxiliar a explorar o mapa. Para quem quiser matar a saudade o games está disponível na Steam e com novidades.

Um luz no fim do túnel

A série “The Cossacks” está com um títulos a ser lançado na Steam. O game será liberado dentro de sete semanas.

Talvez posso ter lhe despertado a saudade dos antigos e bons RTS (não que os atuais sejam ruins). Então segue abaixo uma lista de jogos tão bons quanto Age of Empires, para saciar sua necessidade de criar, inventar e analisar estratégias.

Anexo 1Age of Empires II e suas novas expansões

Pode até ser que novos RTS históricos não surjam, mas algumas novidades surgiram para um dos clássicos. Duas novas expansões foram lançadas paras Age os Empires II depois da original “The Conquerors”. São elas:

The Forgotten Expansion

Você pode adquirir na Steam por 16,99.

Anexo 2The African Kingdoms Expansion

Você pode adquirir na Steam por 19,99.

Ambos requerem o jogo base “Age of Empires II” que você poder adquirir por 36,99 na Steam, mas fique ligado nas Promoções da Steam.

 

Anexo 3Rise of Nations

O game vai dos primórdios da civilização a guerras nucleares. Tem um sistema de territórios muito interessante que torna a diplomacia algo essencial para vencer ou então para não ser dizimado antes da hora.

Você pode adquirir na Steam por 36,99.

Anexo 4The Cossacks 3

Esta é uma das novidades que faltavam citadas no começo do artigo. O game conta com dois antecessores “The Cossacks” e The “Cossacks 2” para que quiser experimentar também. Ainda não foi na Steam e nem outra plataforma de compra, as é um RTS que prometo muito.

Disponível: 20 de setembro na Steam. Não há precificação ainda.

Anexo 5Company of Heroes

Este é para você que ficou triste por Age of Empires IV não ter sido lançado e ainda mais na época que se cogitava. Para os Fãs das duas Guerras mundiais Company of Heroes é uma ótima escolha. O game já conta com um sucessor, “Company of Heroes 2”, mas indico começar pelo primeiro título. A primeira missão acorre na praia de Omaha em 6 de junho de 1944. Fatídico Dia D.

Você pode adquirir na Steam por 36,99.

Sou novo no site e em artigos públicos, então todo Feedback será aceito. Muito Obrigado!

Gostou? Compartilha nas redes 😉


A “Vovó do Skyrim”, uma reflexão sobre a idade dos Gamers


Shirley-curry-idade-marketing-games

Shirley Curry a Vovó do Skyrim

Em um documentário exibido pela 60 Seconds Docs, o mundo conheceu a história de ,uma jogadora (super simpática e fofa) de 79 anos de idade, cuja paixão pelos videogames já ultrapassa mais de duas décadas, tendo como favorito em suas jogatinas o RPG da Bethesda, The Elder Scrolls V: Skyrim. A surpresa e o falatório, veio obviamente, por conta da idade “avançada” da senhora, que nos traz uma reflexão muito importante para o mercado de games. Existe idade para gostar de jogos?

Conhecer seu público alvo é importante em todos os setores da economia, e por muitas vezes o marketing direciona sua maior atenção quando determina a faixa etária de seus usuários. Em mercados de tecnologia, como é o de jogos digitais, mudanças ocorrem muito rapidamente, por exemplo, nos anos 90 era comum encontrar consoles sendo vendidos em lojas de brinquedo com um direcionamento totalmente infantil, hoje em um espelhamento quase total vemos cada vez mais jogos com classificação etária “18+” e consoles sendo apresentados como uma central de multimídias interativas focadas em jovens adultos.

Um estudo de 2014 realizado pela ESA (Entertainment Software Association) revelou a idade média dos jogadores nos EUA, separando-os também em gênero, conforme a tabela abaixo:

Idade-Gamers-Tabela-marketing-games

Como podemos ver a maior fatia dos jogadores estão perto dos 40 anos, o que só tende a aumentar, pois, com o advento dos jogos casuais para celulares, uma nova gama de idosos passaram a se interessar por “joguinhos” passando um tempo cada vez maior consumindo essa mídia. Em jogos como WOW (Word of Warcraft) no Brasil, uma pesquisa realizada em fórum pelos próprios jogadores, foram identificadas idades entre 8 e 62 anos, com média de 25,9. Os desenvolvedores, por sua vez, precisam identificar e quantificar/qualificar cada vez mais seus públicos, a fim de entender a identificação de grupos específicos para com seus jogos, afinal quem nunca se deparou com comentários como: “Minecraft é jogo de pré-adolescente”. E isso é super positivo e facilitador.

É de se esperar que novas tecnologias surjam e atraiam cada vez mais adeptos de todos os níveis sociais, gêneros, nichos e idades, iniciativas como realidade aumentada, realidade virtual, novos simuladores, serão o futuro dos games e nós dessa geração seremos os “vovôs dos games” daqui a alguns anos, porém com a cultura gamer mais enraizada, assim esperamos.

Num futuro próximo, talvez essa discussão não tenha mais relevância, pois teremos ultrapassado as barreiras dessa segregação, uma vez que como cultura os games terão espaço em todas as instancias e momentos de nossas vidas, estamos “engatinhando” para isso. E respondendo a pergunta feita no início desse artigo! Não, não existe idade para gostar de jogos!!!