Category Eventos



O presente e o futuro dos eSports


Em 2012, um dos fundadores de League of Legends (LoL) falou sobre o que a visão do futuro dos eSports de LoL poderia ser em 5 anos – onde eventos e transmissões estivessem ao nível de qualidade de produção e paixão dos esportes tradicionais, onde jogadores profissionais pudessem criar carreiras lendárias com base em suas habilidades em Summoner’s Rift. Sabemos que essas metas foram parte de uma jornada maior para fazer um eSport global que pudesse durar por gerações – aqui está como chegamos onde estamos e o que estamos fazendo para o futuro. 

O Futuro dos eSports de LoL

esports-lol-marketing-games-all-starsConforme vamos rumo a 2017 e além, continuamos a tomar passos na direção de um futuro em que os melhores jogadores de LoL sejam bem remunerados e tenham longas carreiras fazendo o que amam – e onde as organizações de equipes de League of Legends tenham negócios prósperos, lideradas por donos habilitados que dividem responsabilidades e comprometimento pela prosperidade do esporte a longo termo. Para nos ajudar a chegar lá, vamos dividir as receitas provenientes das transmissões de LoL eSports e iremos colaborar com nossos parceiros para desenvolver novos modelos de negócio e moldar a liga ativamente. Queremos que esses parceiros tenham uma participação permanente, para ficarem investidos em um futuro estável e lucrarem do sucesso contínuo do esporte. 

Estamos comprometidos a levar os eSports para este futuro. 

Como Chegamos Lá

Bem basicamente, o sucesso dos eSports seguiu um caminho de três passos:

  • Base de Fãs
  • Modelo de Negócio
  • Estabilidade

Estes três passos são construídos um a partir do outro – e nem todas as 13 regiões de ligas do LoL ao redor do mundo estão no mesmo estágio de maturidade. Algumas das ligas mais maduras (LPL, LCK, LCS NA e LCS EU) têm uma forte base de fãs e estão trabalhando em melhorar em questões econômicas, enquanto outras ligas ainda estão trabalhando em estágios de desenvolvimento que Brandon descreveu em 2012. Vamos olhar estes estágios mais de perto.

Base de Fãs

 

A base de fãs em que sempre acreditamos vai muito além do número de telespectadores assistindo a uma partida. Fãs são comunidades que se uniram pela experiência compartilhada de apoiar suas equipes, jogadores e ligas favoritos. Essas conexões profundas são forjadas tanto na euforia de um ACE que leva à vitória em uma partida quanto na agonia de uma virada no Mundial que resulta na eliminação de um time.

esports-lol-marketing-gamesTambém acreditamos que a base de fãs melhora quando é compartilhada com outros que compartilham de suas paixões. Seja torcendo nas arenas, em casa ou na Torcida LoL, esperamos dar aos fãs de eSports a chance de compartilhar todas as experiências dentro de sua comunidade. Estamos animados em ver o crescimento do número de experiências compartilhadas ao redor do mundo e adoramos os empreendedores incríveis que deram o sangue para construir comunidades ao redor do mundo que apoiam os eSports de League. Somos eternamente gratos por todos os seus esforços e estamos ansiosos em fazer ainda mais para apoiar vocês.

Sejamos claros – nada disso daria certo sem você. Milhões de jogadores assistindo a uma Final do Mundial não é só um número para nós – é a fundação sobre a qual tudo isso é construído.

Modelo de Negócios

Uma vez que vimos o crescimento da base de fãs nas ligas regionais e ao redor do mundo, acreditamos que temos a responsabilidade de pavimentar o futuro sustentável do esporte. Nossa comunidade de fãs de eSports – e seu envolvimento com o esporte – tem um valor tangível e nos dá a oportunidade de construir um ecossistema que possa gerar lucro e sucesso para equipes e seus donos. Para continuar a atrair o tipo de investimento saudável e a longo termo que nos ajudou a fazer com que o cenário amadurecesse até agora, e que continuará apoiando a evolução do esporte, precisamos disponibilizar novas receitas de transmissão. Precisamos aumentar isso para que haja mais para as equipes e para os profissionais. No momento, a receita pode ser categorizada em algumas partes – e mais chegarão à medida em que o cenário amadurecer:

  • Mídia/patrocínios
  • Merchandising
  • Conteúdo em jogo

Mídia/patrocínios são uma parte vital do futuro econômico dos eSports de League. Estamos trabalhando há um ano para reestruturar e expandir nossa abordagem à distribuição de mídia e vendas de comerciais/patrocínios. Infelizmente, não podemos dar mais detalhes até concluirmos negociações, mas acreditamos que este seja um componente importante para o sucesso a longo termo.

Já Merchandising requere muito mais colaboração com as equipes. Pesquisas recentes mostraram muito interesse dos fãs, e gostaríamos de trabalhar mais próximos das equipes para ajudá-las a ampliar seus esforços em conseguir coisas legais para quem tiver interesse em adquiri-las.

Finalmente, vender conteúdo em jogo sempre foi parte importante do nosso plano econômico, tanto para times, quanto para League. Começamos com ícones de invocador e estamos trabalhando com equipes para explorar novos itens e aumentar o compartilhamento de receita. Para detalhes específicos em algumas mudanças importantes no conteúdo em jogo que faremos em breve (sem ™), temos uma seção detalhada abaixo. Continue lendo firme e forte! 

Estabilidade

Conseguir a base de fãs e um modelo econômico forte é importante para um esporte próspero – mas estabilidade, com organizações parceiras e a estrutura certa, ajuda a criar um ambiente mais saudável onde nosso esporte possa crescer e evoluir nos próximos anos.

lolesportsnow_header

Ainda não estamos na fase onde podemos descrever exatamente como as parcerias funcionarão; não temos certeza de como elas irão funcionar, ou até se usaremos a mesma estrutura em todas as regiões. Algumas parcerias ao redor do mundo são complicadas – legalmente, financeiramente e operacionalmente. Dito isso, o primeiro passo é assegurar estes parceiros e preparar a estrutura certa. Esperamos dar este passo em 2018. 

eSports de LoL em 2017

À medida que investimos e preparamos o nosso futuro, reconhecemos que o ecossistema atual ainda não é consistentemente lucrativo para donos de equipe ou para a liga. Os custos cresceram – principalmente na forma de salário e sistema de apoio para os jogadores – como resultado direto de investimentos externos significativos e de interesse no cenário. Por exemplo, donos motivados na LPL tem tentado ser mais competitivos globalmente, em parte ao importar ótimos jogadores com salários altos, o que levou a aumentos similares em salários em ligas como a LCK para tentar proteger e manter seu talento regional. Este investimento é algo positivo, especialmente para os profissionais, mas entendemos que ele cria pressão para equipes lidarem com custos a curto prazo e temos tentado ajudá-las a evitar cortes em salários e apoio aos jogadores profissionais.

Esta parte da jornada não é incomum; investimento escalado é uma ocorrência natural em um ecossistema em crescimento, e é um sinal de que nossa abordagem inicial tem funcionado. Contudo, reconhecemos que podemos ajudar a reequilibrar o cenário ao acelerar algumas de nossas táticas econômicas de longo prazo para ajudar a lidar com os problemas de curto prazo sentidos por muitos de nossos parceiros. 

Receita Digital

A partir do Mundial 2016, faremos algumas mudanças no conteúdo em jogo que criarão receita adicional para jogadores e equipes. 

  • image-3Skin e sentinelas Campeonato – A partir de agora, 25% da receita da skin Campeonato e da Sentinela Campeonato será adicionada ao prêmio do Mundial. Isso significa que cada compra do Zed Campeonato vai aumentar diretamente o prêmio para o Mundial 2016. Dando mais contexto, se isso tivesse sido aplicado ano passado, teria mais que dobrado o valor da premiação.
  • Skin Campeonato – De forma parecida, daqui em diante, 25% da receita das skins Desafiante de todo ano será adicionada ao valor da premiação do MSI (Mid-Season Invitational).
  • Skin Campeonato das Equipes – A partir da equipe vencedora do Mundial deste ano, vamos dividir 25% da receita recebida nas vendas de skin no ano de lançamento de cada pacote de skins Campeonato de Equipe diretamente com os jogadores que as inspiraram, bem como com sua equipe e liga (porque tudo contribui para levar a equipe até lá). Assim como criamos skins Campeonato retroativamente para os vencedores passados, vamos dividir retroativamente a receita das skins passadas com os jogadores, equipes e ligas campeões que as inspiraram (Fnatic, TPA, SKT, Samsung White e SKT de novo).
  • Produtos digitais novos (e melhorados) – No ano que vem, vamos introduzir novas oportunidades de compartilhamento de receita, como itens e promoções de eSports, assim como melhorar o compartilhamento da receita dos ícones de invocador (ícones de Campeonato Mundial aumentando de 20-30%, e de ligas regionais aumentando em valores a serem definidos regionalmente). Acreditamos que o potencial de receita é extremamente forte para equipes comprometidas em construir marcas fortes – mas levando em consideração que estes produtos são novos e não foram testados, e que estamos tentando cuidar de uma questão imediata na receita dos times, em 2017, vamos garantir um pagamento mínimo para cada equipe, a ser definido conforme históricos e projeções regionais. Por exemplo, a LCS EU terá uma receita mínima de €100.000 por equipe para toda a temporada, onde 50% deste valor será direcionado para os jogadores como renda suplementar a seus salários. As negociações serão realizadas em cada região, conforme históricos e projeções específicos de cada localidade. 

Mesmo sem contar os pagamentos retroativos de Campeões passados, isso contribuirá com milhões de dólares em receita adicional para equipes e profissionais todos os anos. 

Indo em Direção ao Futuro

image-4Acreditamos que o futuro seria brilhante para os eSports de LoL em 2012 – e está ainda melhor hoje, à medida que tomamos nossos passos mais significativos. Ao passo em que enfrenteamos desafios adicionais e futuros incertos, continuaremos com as nossas principais convicções; a de colocar os fãs de eSports em primeiro lugar, de construir um ótimo ecossistema que mantenha acesa a chama do esporte que você ama a longo termo, e que os fãs, profissionais e equipes almejem.

Obrigado por fazer do nosso esporte o que ele é. Nos vemos no Mundial!

Fonte: www.br.leagueoflegends.com


BGS na visão de uma não Gamer – Observações de um mundo desconhecido!


A BSG acabou já faz um tempo é bem verdade e como acontece todos os anos houve várias atrações interessantes, mas desta vez a BGS foi um pouco diferente para mim. Pela primeira vez fui a passeio e não a trabalho, logo tive tempo para observar as atrações com mais detalhes.

Justamente por estar lá, sem preocupação, resolvi levar a minha namorada, que não entende nada de videogame, com a intenção de observá-la nesse mundo que tanto lhe é desconhecido. Alguns elementos que conversamos eu já conhecia das edições passadas e foi muito interessante ser questionado com perguntas que nem sempre fazemos, justamente, por estarmos dentro desse mundo.

bgsA primeira coisa que chamou a sua atenção foi o fato da BGS possuir muitos cadeirantes auxiliando a entrada dos visitantes e dentro do evento informando as pessoas com dúvidas sobre onde se localizava determinado stand, a praça de alimentação e banheiros. Comentei que sempre vi a organização do evento ter essa linda iniciativa desde quando comecei a frequentá-lo, ou seja, a partir de 2012.

Quando, enfim, entramos no local e começamos a andar, reparei o quão impressionada ela ficou com relação o espaço interno. Os corredores eram largos, o que facilitava a locomoção. Esse foi o primeiro elogio que ela comentou comigo sobre a feira: a possibilidade de se locomover sem dificuldades.

Com relação aos stands das empresas, ela não deu tanta importância, afinal ela não conhecia nada ou quase nada. Sabendo disso fiz questão de levá-la para o stand do Playstation, X-Box, Ubisoft, Warner/FIFA e CD Red Project. Em todos os stands seus comentários giraram em relação aos jogos que “eram muito parecidos”, como por exemplo os “jogos de futebol”. Para ela era tudo a mesma coisa, nesse momento tive que explicar um pouco a diferença entra PES e FIFA.

capa_bgsApesar das similaridades entre os jogos, Just Dance e Gwent foram o que chamaram a sua atenção, principalmente pela curiosidade. Afinal ela ficou surpresa com um “jogo de dança” e me questionou dizendo: “mas desde quando nerd sabe dançar?”. Já o Gwent sua surpresa foi o fato de ser um jogo de carta e como tinha muita gente jogando, então expliquei que o Gwent é um jogo dentro de outro jogo, no caso estava me referindo ao The Witcher 3, que fez bastante sucesso e então resolveram lança-lo em uma versão solo. Também resumi o quanto vem crescendo os jogos de cartas digitais como Hearthstone.

Agora entre todos os jogos que lá estavam sendo exibidos o que mais a deixou interessada e quis saber mais, quase ao ponto de jogar o demo, foi Horizon: Zero Dawn. E o motivo foi muito simples: O fato do protagonista ser uma mulher. Nesse comento, ela estava realmente interessada em conversar sobre jogos, mais especificamente sobre um jogo ter uma mulher como personagem principal. Ela abordou a questão da representatividade feminina no mundo dos games, que é praticamente dominado pelos homens.

Para resumir essa minha (mini) pesquisa por observação, é interessante destacar dois pontos: 1) Que a BGS consegue surpreender pessoas que não estão relacionadas ao mundo dos games e 2) O fato de nem todos os jogos se resumem a futebol, tiro e explosão. Como citei, a Laura, minha namorada ficou surpresa ao encontrar um jogo de dança e de carta.

Agora só preciso esperar a próxima edição da BGS e conhecer as novas atrações.


Representatividade nos Jogos Digitais: as minorias gritam por atenção!


Antes de começar essa discussão informo a todos que me acompanham que propus fazer uma sequência de temas necessários ao meio, mas a cada semana com muitas novidades, existem algumas precisam ser discutidas no calor do momento. Sendo assim abordarei os temas já levantados em futuros próximos e deixarei junto o link do artigo anterior para não ficarem perdidos. Dito isso vamos ao grande destaque da última semana: Brasil Game Show.

brasil-game-show-ft-img

Segundo o site da Brasil Game Show a Feira é o local escolhido para a realização de mais de 80% dos anúncios e lançamentos da América Latina. Além disso, conta com presença das principais empresas do segmento de games. Em 2015, o evento contou com a presença de cerca de 180 marcas, que tiveram a oportunidade de atingir e interagir com as 300.138 pessoas que circularam pela feira.

Nesse ano não foi diferente. Com grandes lançamentos e em um novo local a feira foi sinônimo de sucesso tanto para o público como para produtores. Dentre os produtores destaco os indies que superaram as expectativas tanto em qualidade como em quantidade. Em três dias de evento conversando e jogando observei um aumento significativo na qualidade em relação ao último ano; mecânicas diferentes, gráficos trabalhados, histórias desenvolvidas.

Por outro lado os problemas persistem: equipes despreparadas para vender seu produto, jogos muito bonitos, mas pouco criativos; histórias clichês e o mais interessante para nós que estamos começando nossa aventura nesse meio: minorias gritando por atenção. E quem são essas minorias? Vamos aos números.

41ywzlf3k3l

 

“Os homossexuais representam 18 milhões de pessoas no Brasil, com um potencial de consumo de mais de R$ 150 bilhões por ano, de acordo com a Associação Brasileira de Turismo para Gays, Lésbicas e Simpatizantes (Abrat-GLS).”(fonte)

Diante da sociedade, deficientes e familiares atravessam obstáculos

 

 

“Dados do IBGE revelam que 6,2% da população brasileira tem algum tipo de deficiência. A Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) considerou quatro tipos de deficiências: auditiva, visual, física e intelectual. “ (fonte)

large

 

 

Segundo o IBGE, os negros (pretos e pardos) eram a maioria da população brasileira em 2014, representando 53,6% da população. Os brasileiros que se declaravam brancos eram 45,5%. (fonte)

 

 

53d68526f460005ce18a78be9fb8b568-d5xly6a

 

 

“A atual população indígena brasileira, segundo dados do Censo Demográfico realizado pelo IBGE em 2010, é de 896,9 mil indígenas.“ (fonte)

 

 

Olhando esses dados não é necessário dizer muito não é mesmo? 18 milhões de possíveis jogadores que não se sentem representados por não possuírem a mesma orientação sexual que a maioria da sociedade. 6,2% de possíveis jogadores de uma população de mais de 204 milhões de brasileiros que sofrem com a falta de acessibilidade aos jogos nas mais diversas plataformas. E por aí vai!

Mas lembre-se que isso é uma PEQUENA PARTE de um grupo composto por diversas minorias que não se encaixam ao padrão cultural imposto, mas trabalham e possuem renda para gastar com algo que traduzam um pouco de sua história. É hora de ser menos preconceituoso, conhecer novos públicos, explorar novas culturas e produzir material para quem busca ao menos existir em uma sociedade injusta e desigual, mesmo que tudo comece em um ambiente imaginário e virtual. Concordam? Acreditam em públicos em potencial? Vamos discutir :]


Florianópolis recebe mais um Meetup Unreal Engine


Olá pessoal, neste final de semana, a região da grande Florianópolis aqui no Sul receberá mais um Meetup Unreal Floripa! Iremos nos encontrar na Openspaces, um espaço de Coworking localizado no Tecnopark na Pedra Branca Cidade Criativa em Palhoça, grande Florianópolis-SC.

Neste Meetup Unreal Engine, teremos uma apresentação sobre os trabalhos que a Epic Games tem feito apoiando e divulgando os projetos de games que utilizam a sua engine através do Projeto Unreal Dev Grants.

Em seguida, teremos a Talk dos projetos de games feitos em Unreal Engine do catálogo da Publicadora Gamelyst. Contaremos também com um Workshop sobre modelagem 3D e ambientes de Arquitetura criados dentro da Unreal ministrado pelos profissionais da Revit em Dia, tema muito solicitado pelos desenvolvedores e designers de games 2 e 3 D.
Para encerrar as talks teremos projetos apresentados por studios indies da região como Wolf Studios, projetos do Senai SC entre outros.

BANNERCronograma do evento:

– 14:00 Unreal Dev Grants – Juliano Cristian – Game DesignGame Developers SC 
– 14:30 Gamelyst e seus games feitos em Unreal – Gabriel Mendes  – Gamelyst
–  15:00 Apresentação de projeto Unreal Museu Virtual Senai Teknowlogy
–  15:30 Apresentação de projeto Wolves studio
– 16:00 Criando seu primeiro archiviz com Unreal Engine    Engine. Arquitetura – Bell Rodrigo da Revit em Dia.
– 17:00 Apresentação de projetos da comunidade.
– 17:30 Coffee break e Networking.

Entrada Franca.
Das 14 as 18 hs, dia 03 de setembro. Aberto a todos os públicos.
Informações e inscrições gratuitas: 
 
ju
O Mercado de games na grande Floripa e em Santa Catarina
Santa Catarina possui mais de 60 empresas de tecnologia voltadas para o desenvolvimento de Jogos Digitais, só na grande Florianópolis são mais de 40 somando-se empresas e estúdios independentes.
O setor de games no Brasil cresceu uma média de 12% nos últimos cinco anos, segundo a associação dos desenvolvedores (Abragames). Os jogos digitais são considerados como atividade da Economia Criativa, pois aliam a criatividade ao seu valor econômico, e ultrapassaram o viés do entretenimento. Hoje, os games são importantes ferramentas pedagógicas, utilizadas em escolas e em treinamentos empresariais. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), um em cada quatro brasileiros joga algum tipo de game, seja no celular, computador ou tablet. E esse é um público que não para de crescer. Com isso, o mercado deve se manter aquecido nos próximos anos. As principais empregadoras são as empresas desenvolvedoras de jogos.
j
Como a região da grande Florianópolis é considerada polo tecnológico além de  possuir o ar de tecnologia e empreendedorismo o evento é realizado aqui e busca movimentar os estudantes de games, profissionais liberais e para quem deseja entrar neste mercado em expansão.
Sendo assim o evento visa mostrar o mercado, realizar pequenos Workshops para quem desenvolve e quem deseja iniciar na área, divulgar trabalhos já realizados e gerar todo um eco sistema na área de games em toda a grande Florianópolis.
Obrigado pela leitura deste post e até breve! 😉

Se você gosta de jogar ou sonha em ser desenvolvedor, a BGS é para você!


Estamos na semana da Brasil Game Show (BGS)! Um momento de grande euforia para todos os jogadores brasileiros. O que muitos esquecem é que este é também um grande momento para os desenvolvedores de jogos.

brasil-game-show-bgs-marketing-gamesSabemos que o foco fica sempre em torno dos grandes títulos e das grandes empresas. Vamos para o evento jogar Horizon Zero Dawn, For Honor, Forza Horizon 3, Final Fantasy e muitos outros. Vamos para celebrar a cultura nerd sem preconceitos, dividindo com outros aficionados o amor por este universo.

O que muitos esquecem é que este é também um momento super importante para os desenvolvedores independentes de jogos. O público alvo destas empresas está, de maneira exclusiva ao longo dessa semana, com a atenção voltada para a BGS e, consequentemente, para os jogos da feira.

Todos querem algo a mais

A dinâmica é simples. O público entra na feira afoito pelas novidades mundiais. Eles passam horas em filas e tem a oportunidade de experimentar estes títulos. A grande sacada está aqui. Fazer um jogo para um grande público é um trabalho de repetição. Pouco pode ser mudado, ou o jogo passa a ser muito arriscado para a empresa.

É por isso que vemos tantos títulos sendo lançados praticamente iguais ano após ano. Eles estão calculando os riscos e jogando seguro. Por isso, depois de algum tempo, o jogador teve tudo o que queria, mas ele sente falta de algo. De uma melhoria, de uma inovação: de algo que seja diferente.

areaindie

A Reviravolta Indie

É exatamente neste momento que o pavilhão indie começa a brilhar. Este espaço fica muito vazio no começo da feira, mas gradativamente ele vai somando público.  Somando gente e atenção. O que era antes uma corrida pelos jogos mais famosos passa a ser uma busca por algo capaz de tirar do lugar comum.

Por isso, faço um convite. Teste os jogos do pavilhão indie. Teste aqueles que você acha legal e teste os que você acha chato. A experiência vai se tornar uma caça ao ouro extremamente recompensadora. Será exatemente o que um jogo deve ser: divertido!


Ciclo de Palestras Mulheres no Mercado de Games no Google Campus SP


De acordo com a pesquisa da Game Brasil 2016, divulgada no dia 16 de Maio, as mulheres representam 52,6% do público gamer no Brasil, mas ainda assim muitos acreditam que essa área é controlado pelos homens.

O evento tem como proposta principal apresentar às mulheres interessadas na área de jogos ao que tem sido produzido por outras mulheres. As palestras apresentadas abordarão desde o empreendedorismo no mercado de games, até a programação, ao design e as contrubuições dos jogos para outros tipos de projetos.

11223647_1611259092497064_378741870950656346_nA Women Up Games é uma organização de impacto social que visa conectar mais mulheres ao mundo dos jogos.

Venha ajudar a desmentir um pouco esse mito e mostrar que Game também é coisa de Mulher! O que você sempre quis saber sobre Games feito por mulheres para mulheres!

Empreendedorismo para games
Ariane Parra

Empoderando Mulheres na Programação de Jogos
Manuela Reis E Aiami

Games, cultura e o mundo acadêmico: Empreender é possível
Msc. Julia Stateri
13394073_1728325184123787_620313024827139022_n

 


Serviço:
Mulheres no Mercado de Games
Quando: 30 de Agosto das 19hs as 22hs
Onde: Rua Coronel Oscar Porto, 70 (Google Campus SP)

Não deixe de preencher o Formulário de inscrição do evento Mulheres no mercado de Games para poder prestigiar o Ciclo de Palestras com essas feras da cena Gamer brasileira!


Um dos maiores eventos de TI do Brasil ganha gamificação e um Universo Ficional Transmídia


O IT Forum Mais reúne os CIOs das 501 a 1000 maiores empresas que mais investem em TI no Brasil e já é consagrado como o encontro mais eficaz na geração de leads para a Indústria de TI e Telecom. A nova edição do evento, que começa na próxima Quarta-Feira vai levar os participantes à uma jornada imersiva dentro de um universo fantástico transmídia criado pela Storytellers Brand’Fiction em parceria com a IT Midia para disputarem o controle do Tempo.

CareA aventura começa bem antes de pisarem na Bahia, quando os executivos fazem o seu cadastro e agendamento das reuniões de negócio. Eles escolhem uma das opções de ligas: People of Tomorrow, Ágora do Agora e C.A.R.E. Cada uma representando um pensamento sobre o domínio do tempo.

P.O.T como é conhecida a primeira liga, pensa que a melhor coisa a se fazer é acelerar o Tempo e embarcar no futuro, já a C.A.R.E quer dedicar o Tempo à grandiosidade histórica e profunda do passado, enquanto a Ágora do Agora acredita que esses dois caminhos são perda de Tempo, pois o importante é viver o presente e suas realizações. Essa divisão de pensamento surgiu de uma organização conhecida como Ordem dos Guardiões do Tempo. A ordem surgiu nos primórdios da humanidade, após o Gilgamesh ter o seu primeiro encontro com a divindade do Tempo e mantém secretamente sua organização até os dias de hoje tentando distribuir esse poder a todas as nações para otimizar a evolução das civilizações humanas.

Mesmo em 4 dias do evento, essa história se tornou grande demais para ser contada no palco. Exatamente por isso que Fernando Palacios, CEO da Storytellers concebeu um plano transmídia que compreende um livro, vários vídeos e a gamificação do evento. O time Storytellers conta ainda com Fernanda Werson coordenando os roteiros e as atividades de Storytelling, Pedro Tancini dirigindo todas as intervenções teatrais e as encenação de palco e Ale Santos como Game Designer e Puppet Master do jogo.

O principal objetivo da ação é estimular os negócios do evento, isso faz com que o jogo e a narrativa devam ser minuciosamente lapidados com mecânicas e elementos que proporcionam mais business. Isso já havia sido testado no IT Forum no começo do ano, aonde apresentou um acréscimo de mais de 10% de reuniões entre CIOs e Patrocinadores. Dessa vez as expectativas continuam altas e todo esse universo transmídia continua crescendo com personagens, enredos e símbolos fundamentando uma verdadeira mitologia para o IT Forum Mais.

Conheçam mais da história desse universo transmídia no link oficial clicando aqui


Mario nas Olimpíadas demonstra o carisma e a influência da cultura dos games sobre o mundo


Pois é, no ano da graça de 2016, no evento mais mundial de todos os eventos mundiais, numa transmissão aos quatro cantos do planeta, um país não teve vergonha de dizer “sim, gostamos de games” e mais importante que isso: nosso produto e nossa cultura domina corações, mentes e bolsos.

E nós aqui, meros anfitriões, que a bem pouco tempo atrás tivemos que engolir uma ministra da cultura dizendo “game não é cultura“? Como ficamos nessa? Se você é da área de produção de games, tire dois minutinhos para trocarmos uma ideia.

Quando olhamos para o quadro geral das grandes franquias, percebemos dois padrões nítidos:

– no primeiro, o foco é um (digamos assim) cenário/tema genérico que, lastreado por uma produção de altíssimo nível e investimento gigantesco, mantém a comunidade de jogadores constantemente abastecida de novidades, via marketing agressivo e massivo;

– no segundo, o foco é um personagem carismático (e sua turma), de simples compreensão e leitura, cuja aceitação (seja ela por que motivo for) é praticamente unânime.

marioSão dois modelos distintos que não dispensam o esforço inicial de divulgação e que, ao atingir um determinado patamar, funciona como as coisas no vácuo, por inércia. De tempos em tempos vale uma correção de rumo para aparar os desgastes naturais da exposição continuada.

Desses dois modelos podemos estabelecer logo de cara que o primeiro é meio complicado para um game brazuca, principalmente por conta do custo do dinheiro. Então, se você é daqueles que sonha com um MMORPG verde e amarelo, bem, continue sonhando que sonhar não paga imposto.

Já no segundo caso o problema não é tanto o volume de grana. Na verdade é, mas antes dele se tornar crucial é preciso vencer uma etapa, tipo as provas classificatórias.

A busca por um personagem carismático não precisa ir até as florestas nativas, nem saltitar numa perna só, afinal o Mario não lembra em nada um japonês e muito menos um samurai.


Arena Minecraft Brasil chega a são paulo com evento gratuito para os fãs


Entre os dias 10 e 28 de julho, a Praça de Eventos do Shopping Tucuruvi se transformará em um ambiente totalmente interativo, onde a garotada poderá se divertir com as sessões de games, blocos de montar e ambientes similares ao servidor da minecraft.com.br. A abertura do evento contará com as presenças de dois dos principais jogadores brasileiros de Minecraft no Youtube, Bibi e PokerBR.  A atração é gratuita.

minecraft-marketing-gamesO Minecraft permite que sejam criadas paisagens e personagens por meio de blocos que podem ser movidos de acordo com a criatividade do jogador. Além da mecânica de mineração e coleta de recursos para construção, há no jogo uma mescla de sobrevivência e exploração. Daí o nome Minecraft (mine = mina, craft = habilidade).

Com sessões de jogos em terminais de Xbox e computadores, a Arena Minecraft Brasil do Shopping Tucuruvi oferecerá também aos participantes a oportunidade única de viver a experiência de estar dentro jogo. Isso será possível por meio de atividades lúdicas e reais, como a montagem de personagens com blocos coloridos iguais aos eletrônicos e a viagem pelo túnel de mineração, um dos pontos altos do game.

Esta é a primeira vez que São Paulo recebe um evento relacionado ao jogo mais amado por crianças e adolescentes de todo o mundo.

As sessões, com capacidade para 15 participantes por vez, terão 25 minutos de duração, com intervalos de 5 minutos. As atividades são destinadas a crianças e jovens entre 4 e 16 anos, acompanhados dos pais ou responsáveis. Para participar, é necessário retirar uma senha na entrada do evento. 

tucuruvi-shopping-minecraft-marketing-games

Shopping Tucuruvi

Todos os domingos, a exemplo da abertura, o Shopping Tucuruvi trará os principais nomes brasileiros de tutoriais Minecraft no Youtube para uma tarde de bate-papo e fotos com o público. No dia 10, é a vez de Bibi e PokerBR, que contabilizam mais de dois milhões de seguidores em seus canais e dão dicas sobre o jogo. Para participar da sessão de bate-papo e fotos é preciso retirar senha (limitadas a três por pessoa) no dia de cada apresentação no balcão da Arena, a partir das 12h.

186-banner

Todas as atividades desenvolvidas na Arena Minecraft Brasil do Shopping Tucuruvi são gratuitas. Os dias e horários dos youtubers estão detalhados na programação abaixo:

10/07 – 12h às 16h – Bibi e PokeyBR
17/07 – 12h às 16h – FeBatista e CraftStudios
24/07 – 12h às 16h – JVNQ

Serviço:
Arena Minecraft Brasil no Shopping Tucuruvi
Onde:
 Praça de Eventos – Piso Plataforma

Período: de 10 a 28 de julho
Horário: segunda a domingo: das 12h às 20h.
Faixa etária: de 4 a 16 anos
Inscrições: Balcão de Inscrição da Arena Minecraft Brasil.
Entrada gratuita


A convite da Riot Games Brasil, organizadores de eventos e torneios regionais de LoL participam do primeiro workshop no País


Para quem não soube, a Riot Games (produtora e distribuidora do League of Legends) promoveu, de 29 de abril a 1º de maio, a primeira edição do Workshop de Influenciadores Regionais, que foi um encontro destinado a 31 organizadores de eventos e torneios de League of Legends, de 18 estados do Brasil, interessados na troca de experiências e novas estratégias para difundir profissionalmente o game League of Legends.

O evento contou com a presença de diversos jogadores, dentre eles proprietários de bares voltados aos fãs de eSports, responsáveis por times profissionais de League of Legends e criadores de conteúdo.

Segundo Marcio Orlandi, diretor do League of Legends no Brasil:

“Para que a comunidade cresça de maneira horizontal, é preciso sempre trocar informações e experiências, por isso realizamos o Workshop”, afirma.

Durante os dois dias e meio de evento, os participantes tiveram acesso a palestras ministradas por Rioters, que falaram sobre temas que auxiliam os organizadores a reforçar a influência em suas regiões e unir as comunidades locais. Alguns tópicos abordados foram: como encontrar parceiros e patrocinadores; iniciativas para fomentar comunidades locais e divulgar seus eventos nas redes sociais; e pesquisas para receber feedback dos jogadores, a fim de melhorarem seus eventos.

Você pode conferir mais sobre evento da Riot Games logo abaixo. Aproveite e comente sobre o que achou: