Category Produtos



Será que precisávamos mesmo de um “New” Nintendo 3DS?


Essa semana os fãs da Nintendo e de portáteis receberam uma novidade interessante, um “novo” Nintendo 3ds! A noticia surgiu no site oficial Japonês e bem rápido se espalhou com imagens e até vídeos com as novidades:

[tentblogger-youtube nGmNoKBJxXY]

Mas calma que ele não é um novo console, basicamente é um upgrade pro atual. Assim como antigamente com o DS e DSi.

nintendo-3ds-M&G-1As Novidades dele para os anteriores são:
– Novos Botões em cima, agora serão 4 no total: L / ZL e ZR / R;
– Novo micro analógico no lado direito próximo a tela;
– Novas posições para a visão do 3D, não é mais necessário ficar perfeitamente centralizado para visualizar;
– Menus customizáveis;
– A versão 3ds normal (não a XL) pode trocar a parte colorida por novas;
– Promete comunicação com computadores;
– A entrada do cartucho passou para frente do console, junto com a entrada de fones de ouvido;
– Amiibo compatível na tela inferior.

nintendo-3ds-M&G-2Alem destas ainda existem outras novidades ainda não confirmadas, e tem previsão de lançamento para 2015.

Acredito ser um pouco cedo para um novo lançamento, ainda mais com tantas vantagens ainda não confirmadas em comparação com o atual 3DS…

Uma curiosidade a ser destacada está no “new” do novo console, que possui o mesmo desenho do logo dos Amiibos (como pode ser observado na capa da matéria), o que claramente vem para reforçar que a Nintendo está apostando grande nessa nova empreitada.

Mudanças significativas ou não… lá vamos nós comprar mais um console não é? D=

 


Assassins Creed e The Legend of Zelda serão lançados em versões temáticas de Monopoly


A empresa USAopoly, que cria versões especiais do jogo de tabuleiro monopoly (o famoso “Banco Imobiliário”) vai lançar versão temática de Assassin’s Creed, autorizada pela Hasbro. Por enquanto, o jogo só está sendo lançado na Europa, onde alguns varejistas já estão aceitando pedidos antecipados.

O jogo leva em conta o chapéu, carro, ferro, e outras peças simbólicas que representam jogadores na versão normal do MonopolyAssassins Creed Monopoly permite que você escolha entre os diferentes protagonistas da série. Você pode jogar como Altair, Ezio, Connor Kenway, seu avô Edward Kenway, Aveline, ou o protagonista da próxima Assassins Creed Unity, Arno Dorian.

Outras peças do jogo também devem ser alteradas para combinar o tema Assassin’s Creed. O dinheiro será transformado em créditos Abstergo e o imobiliário habitual serão trocados por locais históricos de destaque na série. Abstergo Industries e Abstergo Entertainment vão substituir propriedades originais do jogo, Boardwalk e Park Place.

USAopoly não disse quando ou se o jogo será lançado em outros territórios, mas liberou todos os seus outros jogos modificados para América do Norte também.

Assassins Creed Monopoly não é o único jogo de tabuleiro baseado na série. Em fevereiro, aUbisoft lançou Assassins Creed: Arena, um jogo de mesa 2-4 jogador criado em parceria comCryptozoic Entertainment.

Na semana passada, ficamos sabendo que USAopoly vai lançar uma versão Legend Zelda-temático do jogo de tabuleiro em 15 de setembro, de acordo com uma lista no site da GameStop.

Assassins Creed Unity lança 28 de outubro para Xbox One, PlayStation 4 e PCAssassins Creed Rogue lança em 11 de novembro para Xbox 360 e PS3.

(baseado e traduzido de GameSpot)

Via :Craft Studios


Até que ponto os dlc’s são realmente necessários?


Atualmente, os DLC’s fazem parte de uma realidade muito presente na vida dos jogadores de video game. Como o próprio nome já incita, os downloadable contents possuem conteúdos adicionais ao jogo que foi comprado, com o propósito de aumentar a longevidade e a experiência do jogador com o game em questão. Há várias questões que são recorrentes quando se trata desse assunto, principalmente quanto ao que esse conteúdo irá somar de fato dentro do jogo e dos preços que são cobrados para obtê-los.

ubisoft_chris_early_1_medSegundo Chris Early, vice presidente de digital publishing na Ubisoft, a tendência do uso das dlc’s já está mudando, e ainda afirma que alguns destes já não são reprimidos ao serem anunciados. O mesmo cita os pacotes “Time Saver” do jogo Assassins Creed IV, onde permite comprar recursos dentro do jogo, revelando locais de colecionáveis, e afirma que não houvera resistência na compra deste conteúdo, onde o mesmo anteriormente era conseguido apenas através de macetes dentro do game. Partindo deste fato, é possível perceber que esse tipo de pagamento por conteúdos adicionais é uma realidade que os jogadores já estão habituados e cada vez mais se torna algo natural dentro da experiência com os jogos. Contudo, esses conteúdos nem sempre podem apresentam vantagens que possam contribuir de fato aos títulos.

Red_Dead_Redemption_-_Undead_Nightmare_coverComo muito se questiona também, muitos desses conteúdos trazem apenas modificações ou adições simples ao jogo, contribuindo apenas com alguma skin, mapa ou até mesmo personagens novos; são conteúdos que irão trazer novidades ao jogo, porém será que realmente valem o investimento que é feito? Pois bem, algumas vezes não, pois são conteúdos simples e que não irão demandar um grande desenvolvimento, não havendo uma necessidade real de serem vendidos separadamente e por um preço consideravelmente alto. Há casos em que esses conteúdos chegam para aumentar e melhorar consideravelmente o envolvimento com o game, como os dlc’s Infamous: Festival of Blood, The Last of Us: Left Behind, GTA IV: The Ballad of Gay Tony, Red Dead Redemption: Undead Nightmare, dentre outros. A partir de tais exemplos, é possível perceber que os dlc’s são bem vindos, a partir do ponto em que se demonstra um real motivo e justificativa para a compra dos mesmos.

Em Marketing, demonstrar e provar valor ao cliente é uma ação recorrente nos vários planos que são desenvolvidos para empresas, e na indústria de games não é diferente, partindo do princípio que é preciso conquistar e reter os jogadores que são consumidores dos produtos. A atual era do Marketing se apropria do fato de que é necessário que as empresas demonstrem vantagens, serviços e valores ao seu consumidor; é necessário que haja uma razão racional e emocional para que o jogador se interesse e acredite que aquele conteúdo é realmente vantajoso e necessário. Em paralelo, é possível fazer uma comparação de valor x satifação, onde Kotler (2000, p.58) afirma: “Satisfação consiste na sensação de prazer ou desapontamento resultantes da comparação do desempenho (ou resultado) percebido de um produto em relação às expectativas do comprador”. Tendo isso por base, é imprescindível entregar conteúdos que irão realmente construir e demonstrar valores e vantagens para o jogador, não apenas entregando conteúdos simples para que possa gerar lucros através de baixo investimento.

marketing-de-contenidosEm suma, dlc’s continuarão existindo e as empresas continuarão trazendo conteúdos adicionais aos jogos, tal fato pode ser uma ótima ou péssima notícia, tudo isso vai depender do empenho das empresas em desenvolver conteúdos que justifiquem os investimentos dos consumidores. É importante que os consumidores estejam sempre exigindo melhorias e vantagens que irão contribuir realmente em sua experiência, não desembolsando quantias consideráveis altas em relação ao que é entregue por algumas empresas. O que se espera são grandes ideias com a possibilidade de trazer grandes momentos adicionais aos jogos e que valham os investimentos nos dlc’s, aumentando o contato e as horas que irá se passar com o título.

Nos diga, quais dlc’s valeram os investimentos feitos e adicionaram à sua experiência dentro do jogo?

Fonte: Sussuworld


McDonald’s muda pela 1ª vez o design da embalagem de Batata Frita para dar acesso a novo Game!


O McDonald’s está apostando pesado no sucesso da Copa do Mundo 2014 e, pela primeira vez na história, promoveu a mudança do design da caixa de um dos seus itens mais vendidos em todo o mundo para homenagear o evento esportivo que está sendo realizado no Brasil. Agora, ao invés do tradicional vermelho, as caixinhas de batatas fritas da companhia vêm com um desenho comemorativo ao mundial futebolístico e que pode ser utilizado em um jogo de futebol de realidade aumentada. 

Para brincar, o jogador precisa baixar o app para smartphones e tablets na página oficial da campanha, instalá-lo no dispositivo móvel e mirar a câmera para a caixa comemorativa de batatas fritas. O app se encarrega de transformá-la em uma trave e a mesa no gramado de um campo de futebol. 

Pela primeira vez na história a rede de fast food alterou o design das tradicionais caixinhas vermelhas para desenhos em comemoração ao mundial futebolístico. Com ele, caixas podem ser usadas como traves em jogo de realidade aumentada

Pela primeira vez na história a rede de fast food alterou o design das tradicionais caixinhas vermelhas para desenhos em comemoração ao mundial futebolístico. Com ele, caixas podem ser usadas como traves em jogo de realidade aumentada (Imagem: Reprodução) 

O jogo é simples e apresenta uma bola virtual que deve ser chutada para o gol. A cada gol feito, no entanto, objetos virtuais vão aparecendo na tela e desafiando o jogador a fazer chutes cada vez mais mirabolantes para alcançar o objetivo. Outros objetos reais também se transformam em elementos virtuais no jogo de realidade aumentada. 

O game foi feito em conjunto com dezenas de artistas, que também participaram do projeto de redesign das caixinhas da guloseima. Para a companhia, o momento da Copa do Mundo não poderia ser mais propício. “Estamos animados com essa iniciativa de engajamento e interação dos nossos consumidores com nossa mundialmente famosa batata frita”, disse Steve Easterbrook, vice-presidente e diretor global do McDonald’s em um comunicado à imprensa. 

Já para Natasha Weinstein, diretora de contas da agência Trigger, a criadora do game, o app é uma “ferramenta poderosa de marketing para a empresa”, chegando a superar comerciais televisivos e publicidade em mídias impressas. 

Muito embora o game exija que uma caixinha de batatas fritas personalizada seja utilizada, Weinstein garantiu que isso se modificará quando o evento futebolístico chegar ao fim. “Colocaremos novas caixinhas que poderão ser utilizadas como gol em circulação quando a Copa acabar. Portanto todos poderão se divertir”, disse a executiva. 

Para o McDonald’s, o grande atrativo do game é a possibilidade de inventar chutes utilizando os objetos virtuais que estão na tela. Tabelinhas com paredes, blocos, latas de lixo e coisas do tipo têm inspirado pessoas a criarem as mais diversas formas de alcançar o objetivo final, que é fazer o gol. “A recepção pelo público tem sido muito boa até aqui”, disse Weinstein em nome da rede de restaurantes. “Uma vez acostumado com o estilo do jogo, você poderá criar chutes realmente interessantes”, finalizou. 

O aplicativo GOL! de realidade aumentada é gratuito e pode ser baixado tanto para dispositivos iOS quanto Android no site oficial da campanha


Via: Canaltech 


Nintendo aposta no colecionismo com os novos Amiibos!


Para quem acreditava ou não na presença da Nintendo nessa geração, com certeza teve bons motivos para analisar novamente todos esses motivos depois da conferência que ocorreu no dia 11/06 na E3. Durante o anúncios de jogos já amados por gamers de todo o mundo, a odiada e amada empresa anunciou o seu dispositivo/acessório chamado Amiibo.

[tentblogger-youtube kmruOa_p7XA]

O dispositivo baseado na estrutura e interação do jogo Skylander tem por proposta aumentar ainda mais a experiência com os jogos, proporcionando novos momentos aos jogadores. Talvez você esteja se perguntando do que eu estou falando, mas irei explicar melhor.

spyro-series-2-box-1Skylanders é um jogo criado em 2011, baseado nas aventuras do dragão Spyro, que havia aparecido anteriormente em consoles como Playstation, Game Boy Advanced, dentre outros. Pois bem, quando o game foi lançado tinha a proposta de aumentar a relação dos jogadores com os jogos, fazendo com que a interação fosse o foco principal. Partindo disso, o jogo funciona da seguinte forma: Através da tecnologia NFC (Near Field Comunication), o jogo possui uma base onde bonecos em forma física serão colocados nesta estrutura, para que seja lido as informações deste e transportados para o jogo em questão. De uma forma simples e resumida, você adquire seu game, com ele vai receber mais três bonecos de acompanhamento. Durante a jogatina, será requerido personagens das mais diversas formas, neste momento será colocado algum dos bonecos na base do jogo, sendo transportado para o jogo.

Talvez possa parecer um pouco complicado ou simplesmente uma ideia genial, mas depois de 3 anos, porque ainda parece uma realidade tão distante e que é dificilmente vista em nossas terras? Um dos fatores para esse tipo de proposta não ter tido tanto impacto no Brasil pode ser atribuído aos preços (para variar um pouco). Por mais que a proposta seja inovadora e chame atenção, quando se trata de preços as coisas podem desanimar totalmente. O Kit inicial é na média de R$250 a R$280 reais, sendo recebido três bonecos para iniciar a aventura, mas com o tempo será necessário mais, ai você terá que começar a desembolsar mais dinheiro para novos bonecos para completar sua experiência, o que pode desanimar muitos jogadores.

infinityAssim como o Skylanders, outros jogos também utilizaram deste recurso , como o game Disney Infinity, contudo ainda não cativou a ponto de ser bem difundido e reconhecido pelo público. Mas por muitas vezes a indústria se mostrou imprevisível, e agora temos um novo concorente que pode fazer com que essa tecnologia seja vista de forma diferente. Foi citado no início do texto que a Nintendo recentemente anunciou seu novo dispositivo chamado Amiibo para os consoles da empresa. Mas o que seria esse tal Amiibo e que vantagens realmente traria para a experiência com os games?

Pois bem, o dispositivo anunciado pela Nintendo se propõe utilizar da mesma tecnologia NFC para aumentar a relação dos games com os seus jogadores. A proposta inicial é utilizar os bonecos com os personagens da empresa, colocando-os no Gamepad para que os personagens sejam transportados diretamente para o jogo em questão. Inicialmente esse dispositivo estará disponível para o jogo Super Smash Bros que será lançado para Wii U. Porém, já foi anunciado que o 3DS também ganhará este recurso futuramente e também novos títulos como Mario Party 10, Mario Kart 8, Captain Toad, dentre outros.

Analisando este nova proposta da Nintendo, é visível que a empresa tem grandes planos para causar um grande impacto no futuro de seus jogos e de suas franquias. A tecnologia utilizada não é nova, nem tão inovadora partindo do princípio que ela já está diante de nós por alguns anos. A Nintendo tem nos mostrado que sabe como lidar com a relação da experiência do jogador em seus jogos, por isso tal anúncio do Amiibo é um indicador que poderemos ter mais acesso e contato com essa tecnologia de forma mais concreta e prática. Imaginar os já queridos personagens da empresa em forma de bonecos, sendo passíveis de personalização de habilidades, níveis e características na jogatina é algo para se animar, não é mesmo?

amiiboJá era esperado novos jogos de suas grandes franquias, isso vai continuar acontecendo, porém agora com novas possibilidades, podendo elevar toda essa relação. É pertinente também indagar e refletir sobre toda a situação que envolve o nosso país, pois sabemos que por mais que seja um dispositivo interessante e que muitos irão consumir, os preços provavelmente não serão dos mais acessíveis, partindo do fato de ser uma tecnologia que demanda um custo maior e nosso país não se relaciona muito bem com preços, assim como já acontece com o Skylanders e Disney Infinity.

Em suma, nos resta aguardar para ver as futuras utilizações desse dispositivo e como o mesmo deverá se comportar em relação aos já utilizados por outras empresas, tal quanto observar quais estratégias serão utilizadas para nos convencer de adquirir esse novo dispositivo.

Por isso, nos diga o que achou dessa tecnologia e se pretende comprá-la futuramente.


Spin-Off’s! Entenda o que são e o quanto gostamos deles!


hyrule-warriors-1387380678264_1280x720__large[1]

 

Todos estamos muito ansiosos e curiosos sobre a divulgação do Hyrule Warriors na E3, mesmo sabendo que ele é um Spin-off, mas será que isso torna ele melhor ou pior que os ouros jogos?

mk73dfigs[1]

Spin-off são categorias de jogos criados a partir de uma guia de jogos já existente, como se fosse um universo alternativo ou que não tenha conexão direta com a guia original. Temos como exemplo o Mario Kart, Mario Party, Mario Tennis, Mario mecânico…opa esse ainda não.

rayman_raving_rabbids-t2[1]

Esses jogos, por mais que muitos fãs chamem de caça-niqueis, muitas vezes são interessantes e chegam a fazer tanto ou mais sucesso que a guia original, uma situação dessas aconteceu com o Rayman. Os jogos dos Rabbits são spin-off e mesmo assim tiveram uma ótima avaliação de venda em todos os titulos.

Na minha opinião os Spin-offs podem variar bastante, se tornar clássicos como o Mario Kart, ou simplesmente desaparecer e nem ser lançado. No caso do Hyrule Warrior tenho alguns medos, o estilo de jogo até agora oferecido é completamente diferente de todos os Zeldas lançados até hoje, mas isso pode ser exatamente o ponto divertido do jogo.

No momento só resta aguardar a E3 e acompanhar os lançamentos!


Conheça 8 Games que viraram livros


Com o grande sucesso dos games, diversas séries se tornaram populares e acabaram atraindo a atenção de escritores que buscando conquistar tanto os fãs dos jogos quanto de uma boa leitura, criaram livros baseados nos jogos que acrescentam detalhes imperdíveis sobre suas histórias. Confira uma lista com alguns dos maiores sucessos:

Mass Effect

Mass Effect é uma série de jogos de RPG lançado para Xbox 360, PlayStation 3 e Windows.  Sua missão é salvar a galáxia da terrível raça dos Reapers e de seus seguidores.

Mass Effect: Revelação é o primeiro livro adaptado da franquia, lançado pela editora Record. Criado por Drew Karpyshyn, escritor e roteirista de jogos de videogames e também responsável pelos livros da saga Star Wars, ele serve como um prólogo para o primeiro jogo da série. O enrendo é focado no tenente David Anderson, mostrando seu encontro com Saren, um implacável Espectro Turian. O livro também conta como Anderson falhou ao tentar se tornar o primeiro Espectro humano.

Mass Effect: Ascension se passa entre Mass Effect 1 e 2, explora diversos elementos da série Mass Effect, dando detalhes que não são encontrados no jogo, principalmente do grupo Cerberus.

Mass Effect: Retribution, o último escrito por Drew Karpyshyn, detalha o processo de doutrinação dos Reapers, estendendo a história de Paul Grayson, ex-agente Cerberus.

Mass Effect: Deception é o último livro adaptado da saga. Diferente dos outros escritos por Drew Karpyshyn, este foi obra do autor William C. Dietz. Ele se passa entre os acontecimentos de Mass Effect 2, após o livro Retribution.

World Of Warcraft

World Of Warcraft é um MMORPG da produtora Blizzard, é um jogo online em que jogadores de todo o planeta assumem papéis de heróis fantásticos para explorar um mundo virtual repleto de magia, mistério e aventuras sem limites e onde cada jogador possui um conjunto específico de habilidades e talentos que define o papel de seu personagem

World Of Warcraft – Marés de Guerra, que já virou um best-seller no Estados Unidos, sua história tem como protagonista a renomada feiticeira Jaina Proudmore, que continua sua luta para manter a duradoura paz entre a Aliança e a Horda. O livro relata o avanço dos conflitos entre os dois grupos e prepara o palco para os acontecimentos de Mists of Pandaria, a mais recente expansão do game.

Assassin´s Creed

Assassin´s Creed é uma série de jogos de ação-aventura e stealth da Ubisoft, criada por Patrice Marla Desilets. A série é centrada em uma eterna batalha travada entre assassinos e templários ao longo da história da humanidade.

capa assassins

 Assassin´s Creed – Renascença: Traído pelas famílias que governam as cidades-estado italianas, um jovem embarca em uma jornada épica em busca de vingança. Para erradicar a corrupção e restaurar a honra de sua família, ele irá aprender a Arte dos Assassinos.

Assassin´s Creed – Irmandade: Roma, outrora poderosa, jaz em ruínas. A cidade está impregnada de sofrimento e degradação, os seus cidadãos vivem sob a sombra da impiedosa família dos Bórgia. Apenas um homem poderá libertar o povo da tirania Bórgia: Ezio Auditore, o Mestre Assassino.

Assassin´s Creed – A Cruzada Secreta: Altaïr embarca numa missão  que o levará pela Terra Santa mostrando-lhe o verdadeiro significado do Credo dos Assassinos. De modo a provar o seu empenho, Altaïr terá de derrotar nove inimigos mortais, incluindo o líder dos Templários. A história da vida de Altaïr é contada aqui pela primeira vez: uma viagem que vai mudar a história; a sua batalha interminável contra a conspiração dos Templários.

Assassin´s Creed – Revelações: Escrito por Oliver Bowden, o livro traz de volta o herói de Renascença, o primeiro livro da coleção. Mais velho, sábio e ainda letal como nunca, o Mestre Assassino Ezio precisa refazer os passos do legendário Altaïr numa jornada de descoberta e revelações.

Assassin´s Creed – Renegado: A luta entre a Irmandade dos Assassinos e a Ordem dos Cavaleiros Templários é levada até a Guerra de Independência dos Estados Unidos. Na Londres do século XVIII, Haytham Kenway é ensinado a lutar assim que se torna capaz de empunhar uma espada. Quando a propriedade da família é atacada — o pai assassinado e a irmã raptada —, Haytham defende seu lar da única maneira que pode: com sangue.

 Assassin´s Creed – Bandeira Negra: Escrito por Oliver Bowden, o livro começa em 1715 e conta a história de Edward Kenway, um notável pirata e corsário que viveu na Era Dourada dos Piratas. Ele é o pai de Haytham Kenway e avô e Ratonhnhaké: ton (Connor Kenway), personagens apresentados aos leitores em Assassin’s Creed: Renegado. Assassin’s Creed: Bandeira negra mistura exploração naval com combate e aventuras, tanto em terra quanto no mar das Caraíbas.

 Battlefield

Com o grande sucesso da franquia Battlefield, principalmente pelo seu realismo na simulação de operações militares, o game também teve o terceiro jogo da saga adaptado em um livro.

Battlefield 3: O Russo, lançado pela editora Record, conta a trama do do russo Dima Mayaskovsky e do sargento americano Blackburn, que precisam salvar Nova York e Paris de uma ameaça nuclear.

Bioshock

Bioshock é uma série de tiro em primeira pessoa desenvolvida pela Irrational Games, que conquistou os fãs com seu visual da década de 60 ao longo da sua trilogia.

Bioschock: Rapture é um prólogo para a sequência de acontecimentos do primeiro jogo, sendo considerado uma das adaptações mais fieis já feitas. Lançado pela editora Novo Século, além de descrever e dar detalhes precisos da cidade, da ambientação de principalmente dos personagens.

God of War

God of War é uma das séries exclusivas da Sony que rapidamente ganhou popularidade graças a temática e, principalmente pelo seu personagem Kratos.

God Of War: A História Oficial que deu origem ao Jogo foi escrito pelos norte-americanos Matthew Stover e Robert E. Vardeman, autores experientes em ficção e fantasia. Apesar do título, o livro não é uma transcrição da história do aclamado jogo contando em detalhes a trama envolvendo os deuses, que ficaram subentendidas na história do jogo.

Uncharted

Uncharted, série de sucesso da Sony, desenvolvida pela Naughty Dog, possui uma mistura de aventura com tiro em primeira pessoa, contando a história do protagonista Nathan Drake.

Uncharted: O Quarto Labirinto se passa antes do primeiro jogo, o livro parece ser mais voltado para os fãs e não explica tantos detalhes para aqueles que não jogaram o game.

Halo

Halo é sem dúvidas a principal franquia exclusiva dos consoles da Microsoft e  possui uma série de jogos e histórias em quadrinhos, mas também ganhou um livro lançado pela Editora Planeta.

Halo Cryptum: a Saga Dos Forerunners conta a história que originou o game Halo, expande e acrescenta informações ao universo de Halo, mas não apresenta tantas cenas de ação quanto os jogadores estão acostumados.

Halo Primordium: A Saga Dos Forerunners é a sequência da saga dos Forerunners,  amplia ainda mais o universo de Halo visto no primeiro livro, mas mantém seu foco nos Forerunners. Bem diferente do jogo de ação, a narrativa é mais lenta, até mesmo que o primeiro livro e é  voltada mais para os detalhes e história dos personagens.

Halo Silentium: A Saga Dos Forerunners fecha a trilogia com o mesmo padrão dos dois livros anteriores, intercalando as narrativas sempre em primeira pessoa. O foco da ação também não é tão presente, principalmente pelo toque dramático do final da narrativa. Ainda assim, ele acrescenta valiosas informações ao universo de Halo e explica as origens dos Forerunners, dos Precursores, do Flood e até mesmo dos humanos.

E não para por aí… também foram lançados livros sobre Diablo, StarCraft e Resident Evil. E aí, algum ficou de fora?

Fontes: TechtudoLivros em Série & Sos Solteiros.


Quais efeitos a aquisição da Oculus VR pelo Facebook pode causar ao mercado de Games?


Muito se comenta e questiona qual será o próximo passo da indústria dos Video Games. Muito abordado em vários sites e blogs, inclusive aqui no Marketing & Games, este assunto pode render várias horas de conversa e discussão; partindo disso, temos alguns fatos que podem filtrar mais ainda todas as expectativas e suposições sobre esse assunto.

25bits-oculuslash-tmagArticleAlguns podem estar se perguntando “Mas que fatos são esses que eu ainda não estou sabendo?”. Pois bem, em 2012 fora lançado um projeto chamado Oculus Rift no Kickstarter (site dedicado a levantamento de fundos para projetos), onde a proposta seria um equipamento de realidade virtual, mais especificamente para games. Os interessados com o projeto e sua proposta, fizeram com que em algumas horas o projeto arrecadasse o valor necessário para que este virasse realidade. Devidamente apresentado e projetado, o Oculus Rift chegou às mãos de utilizadores, inclusive na Brasil Game Show 2013.

Muitos estão cientes desses fatos que foram citados, porém talvez alguns ainda não saibam que o Facebook, no dia 25 (terça-feira) oficializou a compra da empresa responsável pelo Oculus Rift, a Oculus VR. Eis que no momento em que isto foi divulgado, aconteceu o que já é esperado: divisão de opiniões.

A partir desse fato e da divulgação dos dados da compra, os consumidores e gamers iniciaram discussões sobre o assunto. De um lado pode-se perceber aqueles que apoiam esta decisão de venda da empresa e enxergam oportunidades não só para o cenário mercadológico, mas também dentro do âmbito social e político. Porém, de outro lado é possível observar uma grande revolta daqueles que investiram no projeto e os que esperavam grandes resultados pela empresa, chegando até mesmo em ocasião onde se foi discutido a devolução do que foi investido no kickstarter.

Dentro do âmbito das indagações e diversas opiniões, é pertinente de se indagar: o que a compra da empresa pela gigante empresa de Mark Zuckenberg pode influenciar no mercado dos games? Sei que é uma discussão que pode gerar horas de conversas, diversos pós e contras, mas apenas quero salientar certas questões importantes que julgo serem importantes.

A indústria de games tem se tornado referência para os outros mercado como uma fonte de aproveitamento grandioso e de quantias exorbitantes de dinheiro. Os videos games não mais se tornam apenas aparelhos para se jogar e passar o tempo, mas para se ter um processo amplo dentro do aspecto social e econômico. O Facebook enxerga tal potencial a ponto de investir uma grandiosa quantia (US$2 bilhões) na compra da empresa.

oculus-vr-statup

A partir disto, temos a possibilidade da interação entre a maior detentora de usuários em rede social do mundo e um mercado grandioso que é dos Games. Através desse investimento, é pertinente perceber que haverá um investimento massivo dentro desta nova tecnologia. É inquestionável que este ato e tais investimentos pelo facebook irão causar no mercado um impacto grandioso, onde o mercado terá que movimentar-se de uma forma diferente como se tem visto até agora. Não se trata apenas de mais uma empresa estar entrando no mercado, mas quem sabe o próximo grande impacto e passo dentro do mercado de games.

Temos contato com grandes empresas que detém a grande maioria dos lucros da indústria de games, mas com a chegada da nova geração, novas gigantes do mercado estão cada vez inserindo dentro deste cenário. Como foi dito a semanas atrás, a Amazon estaria se preparando para adentrar no mercado; O Facebook irá produzir um dos projetos que pode mudar a forma que o mercado se projeta, e não acaba por ai, a Sony também anunciou seu dispositivo de realidade aumentada: Projeto Morpheus, e ela parece estar muito ansiosa para utilizar este seu novo recurso. Para fechar, há boatos que a Razer poderia estar interessada neste mercado também.

Em suma, depois desse turbilhão de informações e suposições, temos vários fatos que antecedem uma possível mudança grandiosa no mercado de games, é imprescindível esperar para ver o que teremos por ai nos próximos anos, mas é importante que analisemos o mercado e procuremos entender de que forma o mesmo pode se comportar perante certos fatos. A indústria dos games tem sido vista de maneira diferente por todos  os setores da sociedade, visto que sua utilização já ultrapassa a casualidade. Dessa maneira, investimentos maiores irão surgir, fazendo com que o games tomem proporções ainda maiores e mais valorizadas.

O que vocês acham, leitores? De que forma vocês acham que a aquisição da Oculus VR pelo Facebook pode modificar a situação atual do mercado de games?


Como a Ubisoft vendeu 1,4 milhão de livros com a ajuda do Facebook


A produtora de games Ubisoft é conhecida pela série Assassin’s Creed, que conta a história do herói Desmond Miles, da ordem dos Assassinos, que volta a épocas como o Renascimento e a Revolução Americana para impedir que os Templários imponham uma nova ordem mundial. A rebuscada trama, no Brasil desde 2010, conta com 2 milhões de cópias vendidas em seis volumes dos jogos — o que faz do país um dos principais mercados para a empresa. Além do sucesso com os games, a companhia francesa também conseguiu impulsionar a venda dos livros baseados na série. Com a ajuda do Facebook, a soma no Brasil já supera o volume total mundial.

A previsão inicial era tímida: apenas 20.000 exemplares para o primeiro livro da série, lançado em 2011. Em apenas 2 meses, no entanto, a empresa atingiu a marca das 30.000 unidades.

Bertrand Chaverot, diretor-geral da Ubisoft Brasil
“Percebemos que era por conta do Facebook, porque sempre quisemos fazer conteúdo específico para os livros no mercado local”

assassinsRecorde de vendas

Nos dois anos seguintes, foram vendidas 1,4 milhão de cópias contra 1,2 milhão comercializadas mundialmente em cinco anos. Nos Estados Unidos, o segundo país onde a empresa mais vende livros, os números são bem mais modestos: 250.000 exemplares em cinco anos.
É compreensível a surpresa da empresa com os bons números relativos aos livros. O mercado brasileiro de games é o quarto do mundo, mas o editorial ocupa a nona posição com crescimento em queda desde 2009, segundo a International Publishers Association.

A força dos admiradores dos games da Ubisoft inicialmente se refletiu na página da empresa no país, criada em 2011. São 3,5 milhões de fãs contra 2 milhões da página global. Além do Brasil, apenas México e Canadá contam com páginas próprias. Para aproveitar essa base tão grande, a empresa desenhou uma estratégia para cada nova edição da série de livros de Assassin’s Creed.

Bom conteúdo e divulgação correta

Um mês antes do lançamento oficial, a Ubisoft divulga o título do novo livro. Quinze dias antes, a capa é publicada na página. Uma semana antes, os fãs tem a possibilidade de ler o primeiro capítulo gratuitamente. No dia do lançamento, a empresa promove um concurso cultural, em que os fãs têm de criar um diálogo para uma parte da história. O autor do mais criativo ganha um exemplar de graça.

Bertrand Chaverot, diretor-geral da Ubisoft Brasil
“Já encontrei vários adultos que liam os livros, mas nem sabiam da existência dos jogos”

Sem Título-4Para obter um maior alcance deste conteúdo, a empresa utiliza produtos do Facebook como Histórias Patrocinadas e Anúncios de foto em publicação de página, com links de parceiros de comércio eletrônico para que os fãs comprem seus exemplares. A empresa foca em anúncios no Feed de Notícias para desktop e celulares.

A febre de Assassin’s Creed só deve crescer. Além dos produtos derivados — como livros, bonecos, quadrinhos, pôsteres, camisetas e jogos de tabuleiros — em 2015, a franquia terá um filme com o ator Michael Fassbender no papel principal e na produção.

Bertrand Chaverot, diretor-geral da Ubisoft Brasil
“Proporcionalmente, o Brasil é o país em que a Ubisoft mais investe na plataforma. O Facebook e todas as inovações que ele permite são os pilares de nossa estratégia de comunicação e de vendas.”

Fonte: www.facebook.com/business


Todos os Jogos “Remakes” merecem um Replay?


Com o advento da geração passada de consoles vieram novos jogos para as novas plataformas, apresentando o potencial e proposta singular desses produtos. Em paralelo a isso, também houveram jogos que foram trazidos de plataformas passadas para serem apreciados nesta geração que se passou, sendo remasterizados e chamados de “Remakes” ou “versão em HD”, que pela terminologia determina são vídeos em alta definição. Partindo dessa proposta, é possível entender uma tendência da indústria e estratégia das empresas vindo de seus títulos que tiveram uma boa aceitação no passado.

dmc_hd_collection

A exemplo desses títulos,vimos jogos como Devil May Cry, Hitman, Resident Evil, Shadow of The Colossus e ICO sendo lançados em suas versões remasterizadas para geração passada. A receptividade desses títulos, assim como a maioria dos que foram remasterizados, tem agradado os que compraram e investiram seu dinheiro nos títulos. Por mais que o conteúdo seja basicamente o que já foi visto em plataformas anteriores, os simples detalhes de áudio, gráfico, dublagem podem fazer um diferencial enorme para o jogador que está interagindo com o game.

É questionado sobre necessidade dessas remasterizações, a exemplo da segunda versão em HD do título Resident Evil 4, trazendo algumas modificações, mas não tão grandiosas assim. A partir disso, indaga-se do interesse apenas de lucro ou de conteúdo também por parte das empresas responsáveis. Porém, antes de questionar sobre a necessidade dessa estratégia, é importante ter por conhecimento alguns tópicos relacionados ao produto em si.

Em Marketing, tem-se por conhecimento e objetivo estudar de que forma o produto entra e sai do mercado e os efeitos que o mesmo causa junto às suas possibilidades de reintegração dentro do mercado. Partindo disso, temos etapas que caracterizam o produto dentro deste processo, são essas:

– Desenvolvimento do produto: Onde tem-se a ideia do produto, o seu conceito e os investimentos são crescentes.

– Introdução: Possui o custo para lançar o produto, seu retorno ainda é baixo, em consequência do início das vendas e do conhecimento dos prospects (consumidores em potencial)

– Crescimento: Nesta fase, o produto começa a vender em proporções que geram lucros para a empresa e tem uma aceitação do consumidor em questão.

– Maturidade: O consumo do produto começa a se estabilizar, tomando proporções que se atinge a média já estabelecida e também há um declínio de vendas, visto que nesta etapa já haverá produtos novos do concorrente e também semelhantes ao que foi lançado.

– Declínio: é a fase onde as vendas começam a cair, consequentemente os lucros não conseguem superar o investimento feito no produto e na sua distribuição.

Ciclo_vida_produto

Partindo disso, é pertinente perceber a estratégia que o mercado utiliza para realavancar ou manter o seu produto no mercado. Como a movimentação do mercado de games é muito grande, rapidamente haverá novos títulos mensalmente, numa quantidade as vezes muito grande. Os jogos, como produto, possuem um fator chamado replay, que possibilita ao jogador consumidor manter um contato duradouro com o jogo, porém quando se há uma nova geração, a tendência é que os consoles antigos fiquem pra trás, pela falta de produção de novos títulos e transferência de franquias para a nova geração.

O mercado mundial sofre de uma Mega Tendência de coisas antigas, onde há uma super valorização por coisas vintages e antigas em geral. Na indústria de games isso não é diferente, partindo da valorização de jogos antigos, onde há demonstração de afeto pelas gerações passadas de consoles e seus jogos que fizeram sucesso. Dessa forma, as empresas enxergam esse cenário atual e fazem com que os jogadores saudosistas e novos tenham contato com jogos clássicos (ou nem tão clássicos assim) em consoles atuais. Isso faz com que o produto que estava numa etapa final consiga render lucros para as empresas e prepare os jogadores para os futuros jogos das franquias.

44140-152815-OldSchoolGames1jpg-620x

Em suma, diante de todas essas questões, é possível perceber que essa é uma tendência que ainda vai perdurar nessa nova geração, mesmo não se sabendo de que forma vai ser a abordagem a ser usada, mas é algo que provavelmente vá acontecer, visto que já há jogos da geração passada  nos novos consoles. O importante é que as empresas tenham por noção de que os jogadores e os consumidores nem sempre aceitam poucas modificações ou pequenos detalhes adicionais por um preço de um jogo atual; é necessário que haja uma intenção em trazer conteúdos adicionais e modificações realmente pertinentes para o lançamento de jogos antigos.

Respeitando e levando em conta todo o processo de produção e adição de detalhes dentro do jogo, é importante preservar o seu produto e o lucro do mesmo, mas é importante cativar os jogadores com conteúdos que possam adicionar à experiência, principalmente quando se trata de jogadores saudosistas e antigos que querem ver mais do que apenas pequenos detalhes adicionais. Sendo assim, é importante o relançamento desses jogos, mas que tragam benefícios além dos já vistos antes para estimular a venda e melhorar a experiência do jogador.